Quando um amor vem de outras vidas

Por Cigana Kélida

“Quando os nossos olhos se cruzaram, eu senti que já o conhecia, apesar de nunca o ter visto antes. Era como se nós já nos conhecêssemos há muito tempo…”

São muitos os relatos de pessoas que, ao viverem uma história de amor, sentem que aquela pessoa já as amou antes, num outro tempo, num outro local. Embora todas as histórias de amor tenham o seu quê de romance e seja fácil cair num devaneio literário, segundo nossa mentora espiritual Maria Madalena é possível encontrarmos na nossa vida presente, amores que começaram séculos antes, em outras vidas.

A mesma teoria é desenvolvida pela Cabala, defendendo que, quando a nossa alma foi criada, foi igualmente concebida outra alma, a nossa gêmea, que nos polariza, assim equilibrando o universo cósmico. De uma só alma inicialmente criada originam-se dois corpos distintos, que chegam à Terra em tempos e locais diversos, consoante o seu estádio de evolução – porque a viagem de todas as almas visa a evolução espiritual, e porque os relacionamentos amorosos são uma parte fundamental desta evolução, proporcionando-nos algumas das lições mais importantes que temos de aprender.

Como reconhecer a minha Alma Gêmea?

As borboletas no estômago, a emoção no peito, o rubor nas faces, a alegria inexplicável… são sintomas que todas as pessoas que já estiveram apaixonadas reconhecem facilmente. No entanto, o encontro com uma alma gêmea é algo muito mais forte e muito mais intenso do que qualquer outro amor ou paixão vivida. Acima de tudo, o que caracteriza o encontro com uma alma gêmea é a sua intensidade e, principalmente, a sua certeza. Quando encontramos a nossa alma gêmea, sabemos. Não conseguimos explicar porquê, nem encontrar uma justificação lógica, mas sabemos que aquela pessoa faz parte de nós, que estamos intrinsecamente ligados a ela, e que a nossa vida nunca mais será a mesma depois de a encontrarmos.

5 fatores que indicam que você encontrou sua alma gêmea:

1 – O primeiro encontro está ligado a um acaso estranho, uma misteriosa coincidência. Também pode suceder que já estivessem para se ter encontrado antes, mas por qualquer estranha razão houve um adiamento desse encontro.

2 – Existe uma inexplicável sincronicidade de datas e lugares em vossas vidas. Geralmente as Almas Gémeas vêem de partes distintas e não crescem juntas, para que possam trazer bagagens diferentes e aprender uma com a outra, mas há, ao longo das suas vidas, misteriosas coincidências, como terem estado no mesmo dia no mesmo aeroporto noutra parte do Mundo, por exemplo.

3 – Quando encontrou esta pessoa sentiu-se imediatamente atraída para ela, sentindo na sua presença uma sensação de paz e conforto. O encontro com a Alma Gêmea caracteriza-se por uma certeza inexplicável. Quando a encontra, você sabe, no mais íntimo do seu ser, que a encontrou.

4 – A química entre ambos é algo que nunca sentiu antes, transcendendo quase o plano físico. Para além do ato de fazer amor, o simples gesto de tocar a mão da sua Alma Gêmea provoca uma poderosa descarga elétrica em ambos, colocando todas as suas terminações nervosas em turbilhão. Esta sensação, que é frequente nos primeiros tempos de paixão, nunca desaparece nem mesmo com a passagem dos anos quando se trata de Almas Gêmeas.

5 – A sua Alma Gêmea representa um desafio para si. Por ser a pessoa que tem para nos ensinar as lições mais importantes, é alguém que no início nos pode irritar, nos fazer sair da nossa zona de conforto, confrontar-nos com a verdade da nossa alma que escondemos até de nós próprios. O seu propósito é, sempre, fazer-nos crescer, evoluir, aprender a amar.

E se eu não encontrar a minha Alma Gémea?

O encontro de Almas Gêmeas é algo incomparavelmente intenso e poderoso, e por essa razão só acontece quando ambas estão preparadas para ele. Mesmo que, nesta vida, não encontre a sua Alma Gêmea, procure encontrar a alma certa para si – aquela que é a sua companheira para o momento da sua evolução espiritual que está a viver, a que vai ajudá-la a chegar ao próximo nível.

Fonte: Ag. Girassol

Deixe um comentário