Em noite de muito glamour e disputa, Iara Ferreira, 26 anos, levou a melhor e venceu a quarta edição do reality show ‘Casa das Pimentinhas’, promovido em parceria com a revista Sexy e com direção do fotógrafo Nelson Miranda. De modo inédito, todas as participantes estarão na capa da publicação de novembro, que terá a campeã em destaque.

O encerramento do projeto aconteceu neste fim de semana, em São Paulo, com direito a desfile na passarela e um time de jurados. Para faturar o reality, elas passaram por três etapas: provas que somaram pontos, a votação entre as próprias participantes e o desfile final. Em sua quarta temporada, o reality foi apresentado pela MC Sexy, que também conduziu o evento.

A revista com todas as pimentinhas chegará as bancas de todo o Brasil em novembro. Em edição especial, as fotos serão produzidas em clima intimista na cidade de Campos do Jordão/SP, onde aconteceu o confinamento das modelos.

Esse ano, você conquistou a vitória na quarta edição do reality show “Casa das Pimentinhas”, promovido em parceria com a revista Sexy. O que essa significou para você e como foi a experiência no programa?

Esse troféu teve um gostinho bem especial. Já participei e ganhei concursos de beleza, mas nunca um reality show. Então foi uma experiência totalmente diferente e um significado mais especial. Consegui me superar nas provas, acumular mais pontos, e me conquistei os jurados. Tudo isso me faz acreditar ainda mais no meu potencial e agradecer por tanto apoio, por tantas mensagens e por tanto carinho dos meus seguidores. Sou uma colecionadora de títulos (risos), e não pretendo parar. Quero mais (risos).

Foto: Ferdinando Mendonça

Devido à pandemia que atingiu o mundo inteiro desde o início do ano, como o projeto conseguiu ter andamento, e o que havia motivado você a entrar no desafio?

Na verdade, ficamos bem apreensivas quando surgiu a quarentena, porque o reality já estava programado, todas as participantes já estavam na expectativa. Achamos que a edição não aconteceria, mas a organização alterou a data e as gravações foram prorrogadas. Por um lado foi bom porque consegui mais tempo para me preparar fisicamente. Decidi topar o convite porque gosto de ousar e de me aventurar em novos projetos. Como disse, foi meu primeiro reality show, queria viver essa experiência. Também já estava de olho no prêmio, sempre pensei em ser capa da Sexy. Acho que toda mulher gosta dessa coisa de ser desejada, sempre tive isso na cabeça por ver grandes mulheres e artistas nas capas das revistas masculinas. Queria estar ali também… e consegui (risos). Estou realizada.

Uma das questões pessoais que teve de enfrentar durante a competição foi o shape, que de acordo com você não estava como desejava. Porque acha que essa questão da necessidade de cobrança em relação à estética influência tanto as mulheres, não apenas modelos, porém em geral? As mulheres costumam buscar a quebra de padrões, ou preferem seguir o que a mídia já estabelece?

Acho que mulher nunca está 100% satisfeita com o próprio corpo, né? (risos) Sou bem exigente e muito vaidosa. Não me prendo aos padrões, gosto do meu shape mais slim, de um corpo mais feminino mesmo, não pretendo ficar forte ou muito musculosa. Acho que não combina comigo. Eu sigo aquilo que gosto, não fico preocupado com os padrões de mídia não. Quando entrei no reality achei que poderia estar melhor, mas depois de uns dias de confinamento percebi que era encanação. Estou feliz assim. Claro que cometo alguns exageros às vezes, tanto na dieta quanto faltando em treinos, mas corro atrás do prejuízo sempre. O importante é me olhar no espelho e me sentir gostosa.

Foto: Ferdinando Mendonça

O grande prêmio do programa foi uma aparição na capa da Sexy, porém esse ano eles optaram por colocar todas as participantes juntas, apenas dando um destaque a mais para a ganhadora. Como você enxerga essa situação de dividir o prêmio, sendo que nas últimas edições isso não acontecia?

Gosto dessa ideia da capa com todas, é algo inédito e super aprovei. Todas têm histórias legais e merecem destaque, todas são guerreiras. A capa será histórica. Claro que como vencedora estou à frente, em destaque, mas isso não tira o mérito de ninguém. A revista está linda, vocês vão amar!

Dentre as principais provas e momentos que passou no reality, qual você considera ter sido a mais desafiadora? Acha que poderia ter sido melhor em algum momento ou mudar alguma situação?

Por incrível que pareça, o maior desafio foi enfrentar o frio de Campos do Jordão (risos). A temperatura chegou a zero. E a gente lá, fazendo prova de maiô. Fora isso, o grande desafio foi lidar com a fofoca. Me senti no alvo por diversas vezes, mas não me deixei levar e nem desanimei. Consegui lidar bem com isso e hoje tenho grandes amigas do reality. Nada poderia ser melhor, tudo aconteceu porque deveria acontecer. Estou feliz com meu desempenho e com o resultado.

Foto: Ferdinando Mendonça

Após passar pelas provas e votação interna dos participantes, veio a hora da etapa final, onde os jurados votariam em vocês pela prova da passarela. Depois por essas etapas e ter conquistado o posto de vencedora, quais são os principais critérios que você acredita que os jurados avaliem no momento do desfile?

Os jurados avaliaram beleza, postura e desenvoltura na passarela. Pelo menos foram esses os quesitos que a organizou informou desde o início do projeto. Acho que me sai bem pela experiência. Já desfilei algumas vezes, já participei de concursos… acho que nesse momento vale a técnica e a experiência. Me senti poderosa e confiante na passarela.

Como ficou o relacionamento com as outras participantes após a premiação?

Algumas se tornaram amigas mesmo, já nos encontramos algumas vezes e curtimos. Outras foram só naquele momento do confinamento mesmo. São pessoas que não tiveram tanta proximidade comigo. Mas de forma geral respeito todas e não tenho briga com nenhuma. Sou da paz (risos).

As fotos para a capa da revista serão feitas na cidade de Campos do Jordão em São Paulo, onde também aconteceu o confinamento do programa. O que você achou de conhecer a cidade e como foi a seção de fotos, tendo em vista que ela é considerada um grande ponto para o turismo no Brasil?

Campos do Jordão é extraordinária, todas as pessoas deveriam conhecer. A cidade é linda, intimista e muito sexy. Adorei conhecer tudo por lá e fotografar em cenários paradisíacos. Já estou até planejando um novo ensaio por lá… realmente é apaixonante e inspirador aquele lugar.

Depois dessa aventura pelo mundo dos realitys, o Big Brother poderia ser um pensamento para o futuro?

Adoro desafios, aventuras e novos projetos. O meio artístico é minha paixão, quem sabe não role qualquer outro reality show. Não quero parar, estou bem animada com tudo e na minha melhor fase.