Já fazem mais de cinco meses desde que o mundo praticamente congelou. Na verdade, era o que deveria ter acontecido, porque uma boa parte do Brasil optou por ignorar todos os alertas de que o mundo estava correndo risco, e continuaram a seguir suas vidas normalmente. Porém, as que souberam respeitar o isolamento social, conseguiram achar um jeito de não deixar que o novo coronavírus os deixassem totalmente sozinhos. Com a garantia de que toda a família estivesse segura, o isolamento acabou tendo um efeito contrário, unindo mais as famílias. Fazendo uma caminhada pelo calçadão da praia, é possível perceber um dos muitos efeitos positivos que a pandemia deixou. Sem ignorar as que foram separadas pela contaminação, é possível perceber a aproximação que as famílias tiveram.

Para aqueles que preferiram manter-se à distância em suas casas, os aplicativos de vídeo chamadas, como o Skype e o Zomm, investiram e foram muito bem compensados por conectarem tanto as famílias, como os escritórios e instituições de ensino. Podemos dizer que apesar das perdas que sofremos e da falta de informações claras, a união se intensificou e acabou juntando os parentes, tanto pessoalmente como online. O ser humano se torna uma espécie criativa e astuta quando, mesmo com todas as medidas de segurança e isolamento, ele dá um jeito de seguir de forma natural com a vida que foi amplamente modificada.

Muitos sonhos foram mudados, porém conseguimos nos reinventar. O comércio precisou promover mudanças em equipes e produções, e ainda lidar com a enorme crise que os cinco meses causaram. No final, todos acabaram se tornando parte da linha de frente de suas próprias vidas, e passamos a contar com a colaboração dos outros para mantê-las. O maior erro do ser humano, além dos famosos sete pecados capitais, é o seu egoísmo, que em muitos casos se traduz na falta de valorização ao próximo. Tudo e todos têm seu lado negativo, por isso não podemos ficar nos enaltecendo e deixarmos de perceber os nossos defeitos.

Estamos passando por um momento onde a nossa sobrevivência está precisando ser colocada à frente do nosso orgulho. O nosso jeito de ver o mundo está precisando ser ampliado, expandindo nossa consciência e fazendo com que possamos descobrir e aprender coisas que nunca esperávamos conhecer. Ninguém poderia ter certeza da pandemia há alguns meses atrás, pois o mundo, apesar do avanço da ciência, ainda é uma das coisas mais imprevisíveis que temos.