Dona de uma das vozes mais marcantes e únicas da nova geração da música brasileira, co-autora de hits nacionais e colecionadora de prêmios, Carol Biazin não cansa de chocar o país a cada lançamento. Com uma banda formada só por mulheres, a cantora acaba de disponibilizar o single “Metade”, que faz parte do EP Sem Filtro, novo lançamento de Carol.

Com menos beats, muito mais orgânica e gravada por uma banda formada só por mulheres que acompanharão Biazin na próxima turnê, o novo single promete marcar uma nova fase na carreira de Carol.

Programada ainda para esse mês, como estão as suas expectativas para o lançamento do single “Metade”?

É uma música que foi lançada recentemente dentro de um projeto chamado “Sem Filtro”,  que é um EP com mais outras duas músicas e Metade. As outras duas músicas já foram lançadas, que fiz versões delas, e estão incríveis também. Metade já tá indo em todas as plataformas digitais. 

Uma das curiosidades sobre a produção dessa música, é a banda formada apenas por mulheres. Acredita que as mulheres tenham muito o que marcar no meio musical?

Eu acho que supriu com certeza todas as minhas expectativas que eu tinha antes do lançamento, as pessoas realmente receberam de peito aberto, as três músicas e a inédita. Acho que o que mais chamou atenção foi realmente essa coisa de ter uma banda só formada por mulheres, porque para mim as mulheres já dominam o mercado, fazem parte do mercado musical há muito tempo. Eu como mulher sempre faço questão de puxar a mão de outras que tão no corre todos os dias para poder estar junto comigo, trampando comigo, desde da banda até a produção de show.

Isso é uma parada que eu sempre quis fazer, e eu consegui fazer agora em Metade. A gente tem que se apoiar uma outra, sempre puxa assim como a Rayane que a baterista, ela me apresentou a Juliana e a Mari para trocar comigo essa música. Isso define muito bem a música, só conheci a Rayane e depois ela falou que tinha outras duas gurias que tocam muito, e eu me apaixonei por elas. São incríveis e levaram a música para frente. Quero cada vez mais ter mulheres trabalhando comigo, não só no palco, na hora do ao vivo, mais também por trás de tudo. 

“Metade” faz parte do álbum “Sem Filtro”, poderia nos contar um pouco mais da proposta que esse projeto traz ao público?

Metade é uma proposta totalmente diferente do que eu já tinha feito. Só pelo fato ter uma produção toda por mulheres, eu já acho totalmente diferente do que eu já fiz, porque até então, o que tinha por trás das minhas outras músicas eram produtores homens. Então, eu acho que já traz uma sensação diferente, mulher tem uma sensibilidade para as paradas que nenhum homem tem. Eu acho que trouxe esse Q para essa música pelo fato também de ser orgânica, acaba sendo também diferente de tudo que eu já fiz. Não tem nenhum elemento super produzido por trás em um estúdio, é bem na mão mesmo, é cru e verdadeiro. Acho que isso traz essa proposta diferente.

Como você espera que os fãs se sintam em relação à nova música?

As pessoas realmente superaram as minhas expectativas do lançamento e receberam muito bem esse single. Principalmente, eu acho que, o que mais deu esse ar de novidade foi essa coisa da banda mesmo. Acho que muita gente me enxergou, viram muita verdade em trazer esse formato diferenciado, eu me senti trazendo algumas coisas da Carol de dois, três anos atrás.