Conhecida por ser dubladora de séries da Nicklodeon como “Henry Danger”, “Game Shakers” e “The Thundermans”, Bia Menezes conseguiu conquistar seu espaço na dublagem emprestando sua voz a personagens que marcaram a geração de jovens de diversas idades na televisão. Filha da também dubladora Ana Lúcia Menezes, seu talento está em programas como “Garota Conhece o Mundo” (Disney Channel), “Shimmer e Shine”, “Esquadrão Bizarro”, e “Peppa Pig”, um dos maiores sucessos entre as crianças menores. Confira a entrevista!

Para quem ainda não a conhece, poderia nos contar um sobre seu início como dubladora?

Eu iniciei na dublagem em 2007, mais ou menos, minha mãe já era dubladora, Ana Lúcia Menezes, eu não tinha com quem ficar em casa então acabei entrando dessa forma no mundo da dublagem. Não fiz curso, já entrei valendo, no começo eu só fazia coisinhas pequenininhas, mas depois acabei amando e continuei na profissão.

Sucesso entre as crianças da nova geração, a Peppa Pig se tornou uma verdadeira febre entre o público infantil. Como é recebe o carinho dos fãs por essa personagem?

É muito maravilhoso, eu dublei em 2014/2015, mas o resultado não foi tão positivo, quem dublava a Peppa era a Victoria Fischer, hoje em dia ela é médica, a mudança da voz chocou um pouco o público. Às críticas foram absurdas e acabaram me substituindo, eu fiquei muito mal na época, era a primeira crítica de um trabalho grande. Mas hoje em dia eu consigo lidar tranquilamente e gosto muito da Peppa Pig, recebo muito retorno desse projeto!

Foto: Reprodução/Instagram

Na Nicklodeon, tivemos duas personagens que se destacaram por suas séries, Babe Carano de Game Shakers e Chloe de The Thundermans. Como foi a sua experiência na dublagem das séries do canal?

Nossa, eu sou apaixonada por todos os trabalhos que realizei na Nickelodeon. Essas duas séries foram incríveis, eu não imaginava a repercussão dessas séries, outra série que amo dublar é Henry Danger, não sei nem o que dizer, eu sou louca por todos esses trabalhos.

Algum tempo atrás, você também teve um canal no YouTube onde compartilhava experiência com a dublagem e a vida. Gostaria de voltar a plataforma um dia?

Sim, tenho muita vontade de voltar, na época eu tive alguns problemas técnicos, quando resolvi, acabei desanimando. Eu sempre fiz vídeos para o YouTube porque eu amava, quando comecei a ser cobrada, senti muita pressão e não quis voltar, gosto de fazer tudo por amor, pretendo retornar sim, quem sabe esse ano… mas quero tudo muito organizado para chegar com muitas novidades!

Foto: Reprodução/Instagram

Filha da também dubladora Ana Lúcia Menezes, como é a influência dela em sua carreira e como é dividir os estúdios entre mãe e filha?

Eu sentia uma grande pressão no início, eu e minha mãe somos muito diferentes, as pessoas acabam me achando metida (hahahaha) mas não é verdade, sou mais reservada e tímida. Em relação ao trabalho, se eu chegar perto da excelente dublagem da minha mãe já me sentiria muito feliz e realizada. Nós moramos juntas, mas nossos horários são doidos, as vezes nos esbarramos no estúdio do nada, chega a ser engraçado.

Que personagem mais marcou sua carreira nos últimos tempos?

A Piper de Henry Danger, eu sempre amei fazer ela, cada fala era um desafio, uma risada, um estresse… se eu pudesse, regravaria essa série novamente. Gosto quanto dessa personagem que dei o nome da minha cachorrinha de Piper Hart em homenagem.