Nos últimos meses, a pandemia do COVID-19 tem afetado diversos setores como o alimentício, varejistas e mesmo os de transportes públicos e privados, e um dos grupos que não ficou de fora foi a da educação. As faculdades e escolas tem apostado bastante suas forças em criar métodos que possam levar as aulas e atividades direto para a casa dos alunos, através de sistemas online ou por aplicativos. Afinal, a educação não pode parar né?

Os artifícios têm sido vários para tornar a experiência das salas de aula possíveis nas residenciais, tentando ao mesmo tempo, passar o conteúdo com clareza e garantindo a saúde e o conforto dos alunos. Viviane Rocha, professora de Planejamento e Técnicas de Estudo da Central de Cursos, um curso que já possui mais de 30 anos no mercado, confirma o avanço das instituições em relação às plataformas: “Existem diversas plataformas que propiciam que o ensino possa ser ministrado à distância, porém, cada instituição deve buscar formas que consigam conciliar todos os recursos em um só lugar (material didático, aulas em vídeo, chat para que possam tirar dúvidas, etc).”

Sobre a adaptação, os alunos muitas vezes enfrentam uma questão relativa ao tempo e o ambiente em que se encontram, que segunda a professora interfere diretamente no desempenho: “Alguns alunos se adaptam muito bem à sistemática e método online de ensino, o problema maior é a administração do tempo e os tomadores de atenção, pois os alunos estão em casa, os alunos e demais familiares, sendo assim, muitos não se adéquam por não conseguir cumprir uma rotina. ”

Além desse caso, outros fatores são primordiais, como anotações da agenda de horários de aulas e tarefas a serem realizadas. Antes de iniciar as aulas, o ritual continua organizando sempre seus materiais, carregar consigo equipamentos, livros didáticos e todos os utensílios, sempre evitando acumular tarefas. Organização e disciplina também são primordiais para que se tenha sucesso nesse método de ensino.

A professora também comenta um pouco sobre o processo de avaliações à distância: “Existem plataformas que propiciam a avaliação também por meio digital, mas acredito que esse momento requer uma avaliação de todo o processo, não só pontual como as avaliações tradicionais. Um fator que poderia ser considerado no processo de avaliação é a interação e adaptação ao método proposto pelo professor, ou seja, uma avaliação contínua e mediadora. ”

Foto: Pixabay

Alunos com o alvo no ENEM:

Por mais caótica que a situação parece estar acontecendo, com até o momento mais de 68 mil casos confirmados e 4,6 mil mortes no Brasil, o INEP ainda mantém a esperança de poder realizar o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) esse ano. Para os alunos que estão dependendo do ensino à distância para se prepararem para a temporada de provas, o cuidado e a rigidez do aprendizado devem ser redobrados.

A primeira dica segundo Viviane é a de manter uma rotina bem rígida e demarcada para o estudo e tentarem desviar um pouco de tomadores de atenção, como as redes sociais e outros aplicativos diversos. O estabelecimento de metas também é bastante recomendado, revezando a leitura de conteúdos teóricos com os exercícios da área de exatas, com a confecção de redações, e não estar grudado somente nas disciplinas com as qual têm mais afinidade.

Serviço:

A Central de Concursos oferece cursos preparatórios para concursos de diferentes áreas. Além das aulas 100% presenciais, disponíveis nos períodos da manhã, tarde, noite e fins de semana, a Central também oferece cursos online e material didático completo.

Com 30 anos de tradição, a Central de Concursos é referência nacional no segmento em que atua: cursos preparatórios para concursos públicos. É a maior empresa do país na divulgação, preparação e treinamento para aqueles que buscam ingressar na carreira pública. Atualmente, a escola possui sete unidades espalhadas pelo estado de São Paulo: Paulista, Metrô República, Osasco, Artur Alvim, Guarulhos, Santo Amaro e ABC.

Mais informações: www.centraldeconcursos.com.br