Que a Galinha Pintadinha é um fenômeno no mundo inteiro, já não é mais novidade. Criada em meados de 2006 pela dupla Juliano Prado e Marcos Luporini, o sucesso vem se expandindo nos últimos anos para fora do Brasil, além de estar no formato de televisão pela série “Galinha Pintadinha Mini”, que já está disponível inclusive na Netflix.

Em entrevista exclusiva para o nosso site Juliano Prado revelou um pouco dos bastidores do sucesso infantil e ainda nos contou um pouco sobre sua visão do sucesso na internet.

Como surgiu o projeto da Galinha Pintadinha? Visavam atingir tantas pessoas no início?

O Marcos Luporini, diretor musical e meu sócio na Bromelia Produções, trabalhava em um estúdio musical e tinha algum tempo livre, então começou a gravar algumas músicas sem muita pretensão. Nós já éramos grandes amigos e eu, que tinha experiência com animação de cartões virtuais pela internet, fizemos o primeiro clipe “Galinha Pintadinha”. Um tempo depois surgiu a oportunidade de mostrar o vídeo em uma reunião comercial para alguns executivos de TV e, para economizar no motoboy, subimos o vídeo no YouTube. Passada a reunião, fomos informados que não houve interesse pois o formato (videoclipes com tempos variados) não se adequava bem à TV. Esquecemos o vídeo lá e para nossa surpresa, depois de algum tempo, percebemos que o número de visualizações desse primeiro vídeo já passava de 500 mil. Um volume enorme para a época nessa plataforma. Esse resultado já sinalizava uma ótima receptividade do nosso material, ou seja, um pouco antes da explosão da era dos vídeos digitais, nós tínhamos um material com qualidade profissional, diferente da maioria dos demais disponíveis gratuitamente naquela época. Apostamos em versões de desenho animado de canções clássicas muito conhecidas, formato até então não explorado para o repertório popular infantil. Hoje, para se ter uma ideia, esse mesmo número de views são gerados em menos de duas horas. Então, de fato, foi uma surpresa.

Sendo uma produção totalmente direcionada ao público infantil, foi necessário algum estudo para se dar com esse público?

Na verdade, não. Um ponto importante do nosso trabalho são as músicas do cancioneiro popular infantil, que são clássicas e já validadas pelos pais. O que fizemos foi resgatá-las, dando uma nova roupagem mais “rock n’roll” para os pequenos.  É difícil dizer o que vai cair no gosto da criançada, mas fazemos tudo com muito carinho e dedicação. Sempre é preciso pensar no público e na experiência bacana que ele pode ter assistindo e consumindo o seu conteúdo. Ou seja, ele precisa estar em primeiro lugar. No nosso caso, estamos atentos em como os pequenos vão se desenvolver, aprimorar a aprendizagem e claro, se divertir com as histórias e músicas da Galinha, porque faz parte também. Sabemos que ao pensar nisso, os pais também vão se sentir seguros e contemplados.

Com tantos programas e canais para crianças no YouTube, qual vocês acreditam ser a fórmula para alcançar o sucesso nesse meio?

O conteúdo da Galinha Pintadinha, que é 100% brasileiro, respeita e estimula a infância, passando valores simples, mas introduzindo conceitos amplos. Além disso, poderíamos dizer que todo o universo da Popó é lúdico, educativo e divertido.  Acreditamos que esse é um dos grandes motivos para o seu sucesso. Temos muito cuidado e preocupação ao preparar os nossos vídeos porque estamos cientes de que a Galinha é o primeiro personagem da vida do bebê e que ela e toda sua turma são importantes na formação dos pequenos. Sendo assim, nosso trabalho é contribuir positivamente para todo processo de desenvolvimento e educação deles. Esse é um dos grandes sucessos da Galinha, trabalhar e resgatar canções populares do cancioneiro brasileiro que todos conhecem, como os pais, os avós, os titios e agora, as crianças, que são apresentadas as canções pelos adultos que já escutaram essas músicas quando crianças. Não podemos menosprezar os pais e achar que, por se tratar de um público infantil, pode-se fazer qualquer coisa que eles gostarão. Não é bem assim. Os pequenos são exigentes, gostam de uma boa música e curtem um desenho animado legal, estimulante e bem feito (com arte).

Antes dos vídeos musicais, Juliano já trabalhava com vídeos para adolescentes e adultos. Vocês pensam em querer atingir outras faixas etárias um dia com novos produtos?

A Galinha já tem um target bem estabelecido, que vai dos recém-nascidos até mais ou menos 6 anos, depois as crianças começam a crescer e se interessar por outros temas como princesas e super-heróis. Como a marca Galinha Pintadinha já se tornou um clássico entre as famílias brasileiras, acreditamos que já faz parte da memória emocional das crianças, ou seja, quando adultos eles poderão consumir o conteúdo por nostalgia ou até mesmo com a próxima geração de crianças, como é muito comum acontecer com marcas tradicionais.

O fenômeno já está disponível em vários países diferentes. Como foi o processo de internacionalização da Galinha Pintadinha?

Nosso desafio tem sido ampliar a presença da personagem em outros países e temos ido muito bem. O conteúdo em espanhol já é um grande sucesso no YouTube. O vídeo Pollito Amarillito, que é a versão em espanhol do clássico Pintinho Amarelinho já bateu mais de 1 bilhão de visualizações, sendo o primeiro vídeo da marca de todos os canais a bater esse recorde no YouTube. Também estamos no ar na TV aberta do México no canal Azteca Siete, do grupo TV AZTECA, a segunda maior emissora do país. E estamos na TV a cabo no Nat Geo Kids para toda LATAM. Além do espanhol, também adaptamos para Inglês, Italiano, Francês, Alemão, Japonês e Mandarim, tanto os clipes musicais, quanto a série “Galinha Pintadinha Mini” e atualmente estamos com diversas negociações em andamento para outros canais de televisão ao redor do mundo.

Na televisão, a franquia ganhou uma série animada chamada “Galinha Pintadinha Mini”. Foi uma surpresa para vocês descobrirem esse novo meio na TV?

As animações dos clipes musicais da Galinha Pintadinha já faziam sucesso nas mídias digitais, só que como o formato não tinha uma duração exata para TV, ficava difícil de encaixar na programação de grade. Como a televisão seria um passo natural para nós, pois trabalhamos para estar disponíveis para o público em todas as telas e plataformas, decidimos desenvolver a série em episódios contendo historinhas, atividades educativas e músicas, tudo em 12 min cada. Foi um processo muito bacana! Dessa forma, concebemos um conteúdo viável para TV e oferecemos mais essa possibilidade de janela de exibição para a criançada curtir a Galinha.