Senta, dá play e deixa o corpo rebolar. O cantor maranhense Gaybriel se prepara para o lançamento do clipe de “Falta de Taka”. A música, lançada nas plataformas de streaming em setembro, ganha registro audiovisual coroando a ótima fase na carreira do cantor. Terceiro single autoral do artista, “Falta de Taka” coroa mais uma faixa de destaque do cantor, que vêm ganhando amplitude tanto no Maranhão quanto em outros estados, como São Paulo.

Cada vez mais no hype, o artista mostra sua vertente regional na faixa e explica o significado de “taka”, expressão utilizada no meio LGBTQIA+. “Esse trabalho carrega uma parte bem mais honesta sobre mim do que os outros trabalhos, fala de vivência e a necessidade de se sentir livre e mostrar pras pessoas que ninguém manda em mim. A música é libertadora e eu não esperava ser tão abraçado com a música. A composição vem de uma reposta a todos aqueles que ainda tem um pensamento arcaico sobre ser ‘gay’ associar que o individuo é LGBT porque faltou ‘taka’ faltou porrada, faltou ser castigado pelo seu comportamento. ‘Isso é falta de taka’ é uma expressão bem famosa de onde eu venho que até então nem sabia que era uma expressão regional de fato qualifica como “falta de surra, porrada”, enfim… É muito falado pelos mais velhos associando que aquele comportamento inadequado só existe porque a criança não foi corrigida com uns bons tapas antes. Mas quem não levou uns bons tapas de seus pais por alguma danação, não é mesmo?”, explica Gaybriel.

Foto: Divulgação

Dando voz e imagem aos seus trabalhos, Gaybriel é um artista completo. Envolvido desde a concepção de uma nova faixa até a direção de seus clipes, o cantor comenta sobre os pensamentos de seus trabalhos. “Eu escrevo uma música já pensando no videoclipe. Eu sou fotografo há 8 anos e sempre estou estudando novas estéticas, buscando referencias visuais, e deixando meu trabalho a minha cara e bem divertido. Estar em todas as áreas do meu trabalho desde escrever a música, pintar meu cabelo e carregar a sacola no sol de meio dia faz eu ser o artista que eu sou”.

Artista visual, Gaybriel fala sobre o pensamento da valorização da cultura regional. Nascido em São Luís, no Maranhão, fala sobre o fato de o brasileiro, em grande parte, ser “ensinado” a consumir um estilo de vida dos Estados Unidos. “Para mim falar sobre a minha essência é muito importante. Como artista e pessoa cresci consumindo o patriotismo americano e consumindo e alimentando um sonho de estar lá e não valorizava o que estava em minhas mãos. Minha cultura é super rica e sou apaixonado pelas expressões e pela arte que vive em minha cidade e isso hoje em dia é algo que carrego comigo como inspiração. Quando eu percebo estando fora da minha cidade que algumas palavras que eu falo as pessoas não entendem eu me sinto especial e brinco com isso sempre nas minhas composições. O Maranhão é tudo”, revela o artista.

Foto: Divulgação

Como grande parte dos jovens gays no Brasil, Gaybriel iniciou seu processo criativo após sofrer bullying na escola. Seu nome de trabalho, inclusive, surgiu como uma forma de levar ofensas a outro nível, a ponto de superá-las mostrando o quão acima estava. “’Gaybriel’ era como os meninos da escola me chamavam para fazer bullying comigo. Fui uma criança muito ‘viada’. Cresci fazendo teatro e as pessoas apontavam para mim dizendo que o que eu fazia não era ‘coisa de homem’. Foi um grande caminho até aqui, mas eu decidi carregar esse nome pra cada dia ter mais coragem de enfrentar a sociedade sendo quem sou, mas esse é o só o começo”, desabafa Gaybriel.

O clipe de “Falta de Taka” estará disponível no canal do artista no YouTube nesta quarta-feira, dia 23.

Sobre Gaybriel: 

Aos 24 anos, Gaybriel começou a se entender enquanto artista aos 11 anos, quando se deparou com um dos projetos musicais mais icônicos da história, a “The Confessions Tour”, da Madonna. A partir daí, se entendendo enquanto criador, começou a escrever faixas em inglês.

Irmão do cantor Yhago Sebaz, Gaybriel tem uma relação muito íntima com a música. Fotógrafo de carreira e formado em Publicidade e Propaganda, o artista mostra que em sua veia pulsa sentimento, todos canalizados para a criação de seu trabalho autoral.

Com influências musicais que vão desde Madonna a Cacuriá de Dona Teté, um ritmo bastante regional do Maranhão, Gaybriel faz uma mescla transformando música em arte e arte em música, tendo como grande diferencial sua assinatura visual. O artista assina todos os clipes de sua carreira e mostra que as diferentes vertentes de seu trabalho podem mostrar algo muito rico em relação às suas raízes.