Banda Anjos de Vidro faz show de lançamento de seu primeiro disco “Ciências Ocultas e Sonhos Premonitórios” no Solar de Botafogo neste sábado, 12/10

A banda Anjos de Vidro lançou, com distribuição da Tratore, em todas as plataformas digitais, seu primeiro álbum “Ciências Ocultas e Sonhos Premonitórios” – rock progressivo, esotérico e rock puro – gravado no estúdio Casebre por Pedro Tambellini e Diogo Viola, produção musical de Tambellini e masterizado por Léo Moreira no Estúdio Maravilha 8.  Agora, os Anjos de Vidro já têm data para o primeiro show de lançamento do disco, no dia 12 de outubro, no Solar de Botafogo, mostrando, além das músicas do álbum, duas canções inéditas “Anjos de Vidro” e “Falta de Compaixão”, ambas de Luciano Strazzer.

A Anjos de Vidro traz o vocalista e letrista Luciano Strazzer (filho do ator Carlos Augusto Strazzer), o baterista Beto Batera (ambos da primeira formação), o guitarrista e produtor musical Pedro Tambellini (filho do cineasta Flávio Tambellini), no baixo Ricardo Richaid (sobrinho-neto de Carmem Miranda) e Frederico Santiago nos teclados.

Neste primeiro disco mostram o peso de mais de três décadas de história, entre suas diferentes formações e intervalos, com repertório autoral. No CD há três músicas instrumentais, duas delas abrindo o repertório, “Espiral” (inédita de Tambellini) e “Sonhos” (de Strazzer) e, fechando o disco, “Apocalipse” (de Frederico Santiago), mais duas inéditas, “Mutações” (com voz dobrada por sugestão de Nei Matogrosso) e “Mandrágora”, e novos arranjos para canções do início de sua trajetória como “Canibal”, “Labirintos” e “Sedução”.

E contam com participações mais que especiais de músicos expressivos da nova geração, amigos de longa data, como Chico Brown e seu teclado keytar apelidado de Synthya na faixa “Canibal”, Diogo Viola na guitarra em “Mandrágora”, José Ibarra faz voz e percussão na faixa “Sedução” e, nesta mesma canção, Lucas Nunes participa tocando teclado – ambos da banda Dônica.

Os Anjos de Vidro estrearam em 1986 em São Paulo com o vocalista e letrista Luciano Strazzer, o baterista Beto Lanzara, o baixista Luiz Portela e o casal Héctor Gonzales, na guitarra, e Graziela, nos teclados. Nesta época se apresentaram em várias casas como Espaço Off, Madame Satã, Espaço Mambembe, SESC Pompéia. Depois, com a vinda de Luciano para o Rio, a banda seguiu com alguns shows ainda em Sampa com o ator Gabriel Braga Nunes no vocal. 

Após um hiato de quase 30 anos, voltaram à ativa com nova formação, ideia de Strazzer, o “mago” das terapias alternativas, que já aos 16 anos montou a banda. A reestreia nos palcos pela banda foi na primeira edição da Festa Realmente Som no Casarão Floresta/RJ em novembro de 2016 e, de lá pra cá, já ocuparam os palcos do Rio de Janeiro e de São Paulo, com esta nova formação.