A funkeira Gispinella está fazendo sucesso não só pelo hit lançado, mas também por fugir dos estereótipos de famosas funkeiras brasileiras, que possuem modelos de corpos mais avantajados.

Com o corpo magro e mais perfil de modelo, Giovanna Spinella mostrou em ensaio que não se intimida com outras artistas do ramo. “O funk é uma indústria que precisa de renovação, de rostos novos e modelos novos. Temos que acabar com esse estereótipo de que funkeira tem que ter muito bumbum”, disse.

Gispinella lançou o seu primeiro hit na Itália e gravou um videoclipe exclusivo na Europa em Milão a funkeira buscou inspirações em MC Mirella. “É a que mais se destaca, inclusive ela vem tocando aqui na França”.

Ainda sobre o seu corpo, ela ressaltou que isso tem a ajudado a fazer seu sucesso na Itália. “As italianas se identificam mais comigo do que qualquer outra, tudo por conta do meu corpo. Ainda tem essa questão de magreza no país, é um padrão”.

“Meu estilo modelo de corpo nunca me prejudicou, muito pelo contrário, é um novo estilo de moda no funk que deve ser seguido por muitas outras celebridades, ninguém precisa ser fitness ou ter muitos músculos e shorts curtos para dizer que é funkeira”.