Grupo Semente & Simone Mazzer cantam e tocam Nelson Cavaquinho

O incrível espetáculo “Grupo Semente & Simone Mazzer cantam e tocam Nelson Cavaquinho” promove o encontro inédito da cantora Simone Mazzer com o Semente – formado por João Callado (cavaquinho), Bernardo Dantas (violão de 7 cordas), Bruno Barreto (voz e percussão), Marcos Esguleba (percussão) e Maninho (percussão) – nesta sexta, dia 13 de setembro, no Teatro Rival Petrobras, às 19h30. Um grande encontro para reverenciar um grande compositor: Nelson Cavaquinho, um dos mais importantes compositores do samba carioca.

Nelson Cavaquinho (29 de outubro de 1911 – 18 de fevereiro de 1986) imprimiu sua assinatura em sambas que se tornaram clássicos, como “Quando eu me chamar saudade” (parceria com Guilherme de Brito de 1972), “Folhas secas” (com Guilherme de Brito, 1973), “Luz negra” (com Amâncio Cardoso, 1961) e “Juízo final” (com Élcio Soares, 1973). A despedida, tema recorrente na obra de Nelson Cavaquinho aparece de diversas formas, seja falando de amor, da vida boemia, da morte, ou somente para falar de momentos breves, como no samba “Vou partir” (parceria com Jair do Cavaquinho, 1965), em que o poeta fala do carnaval, e a filosofia de bar, que aparece em sambas como “Rugas” (com Ari Monteiro e Augusto Garcez, 1946). A voz rouca a forma única de tocar violão (o cavaquinho, instrumento inicial do artista e que o reverenciava foi substituído no passar dos anos) fizeram a diferença deste sambista em sua obra.

Com a “maioridade” de 21 anos de estrada, o Grupo Semente convidou Simone Mazzer para um show com repertório exclusivamente de Nelson Cavaquinho. A ideia é reverenciar a obra do compositor e seus clássicos, composições que se tornaram inesquecíveis para o gênero do samba, mas que poderiam perfeitamente estar entre clássicos do jazz, do blues ou do R&B. Assim o show tem como diferencial trazer a versatilidade de Mazzer e sua interpretação conhecida em repertórios rock/blues/jazzie, dividindo o palco e canções com o grupo, e dando voz aos sambas deste genial poeta.