Maicon Santini nasceu em 22 de fevereiro de 1986 em Jardim Alegre, no Paraná. Atualmente mora em São Paulo, é ator, produtor, blogueiro e youtuber do canal também chamado Maicon Santini. O criador publica vídeos sobre assuntos relacionados a comportamento como namoro a distância, signos, feminismo e comunidade LGBT.

Maicon Santini adora teatro, música, shows, cinema, circo, divas do pop, livros de auto-ajuda, música brasileira, stand up comedy, Xuxa, Ana Maria Braga, moda, maquiagem, Caio Fernando Abreu, YouTube, comédias, Silvio Santos, vídeo-cassetadas, praia, piscina, viajar, meditar, malhar e estar com a família e os amigos.

Como foi seu início na atuação?

Comecei no teatro aos 15 anos em Curitiba. Antes disso já tinha feito dança e curso de modelo. Mas minha vontade mesmo era fazer teatro. Quando fiz minha primeira peça, tinha certeza que eu amava aquilo e queria trabalhar com teatro. Foram anos fazendo só teatro em Curitiba, muitas peças.

De onde veio a ideia de criar o canal no YouTube?

Veio de um momento de muito perrengue, quando eu morava no Rio de Janeiro. Não estava fazendo teatro mais e tinha acabado de sair do Canal Parafernalha, onde trabalhei 7 meses. Pensei “e agora o que eu vou fazer da minha vida?”. Decidi investir mais na internet e comecei o canal. Hoje é meu trabalho principal.

Foto: Reprodução/Instagram

Nos seus vídeos, você costuma comentar assuntos relacionados ao comportamento, namoro e esoterismo. Como foi o começo dessa linha de conteúdo?

Na verdade meu canal nunca teve uma linha. Sempre fui fazendo o que eu tinha vontade ou falando de algo que estava em alta. Hoje em dia eu to tentando colocar ele numa caixinha mais específica.

Quais são as principais dificuldades encontradas hoje para um criador de conteúdo na plataforma?

Manter o engajamento com qualidade de conteúdo. A constância e quantidade de conteúdo em todas as redes sociais e canal exigem dedicação full time. Tem que estar o tempo todo ligado.

Foto: Reprodução/Instagram

Deixe uma mensagem.

Internet é um espaço lindo e democrático! Temos que ocupa-la com muito conteúdo bom, muita representatividade e amor. Não podemos dar espaço pra negatividade e fake news.