Ele canta, dança, atua e ainda adora praticar esportes

Com 16 anos, o ator e diretor Rodrigo Segadilha já participou de mais de 15 peças e curtas metragens, incluindo “Macbeth pelas ruas da cidade”, com direção artística de Cininha de Paula e Alexandre Barillare, “Gypsy – o musical”, “Bruxas de Salém”, e “O noviço”.

“Sempre que estou em cena, não só no teatro, mas em todos os outros lugares sinto uma sensação única e renovadora. Ao mesmo tempo, sinto a responsabilidade de evoluir como ator, diferenciar cada personagem, trazer histórias diferentes, levar novos sorrisos, e estudar muito, pois nenhum ator/diretor está pronto. E essa é a magia da arte, sempre que a gente acha que sabe tudo, a gente descobre algo novo. Nós, atores, estamos sempre estudando e aprendendo mais”, explica.

Sobre o curta “Isso não é uma história de amor”, filmado no ano passado e lançado em abril deste ano, Rodrigo conta que sempre foi uma vontade. “Lembro quando tinha uns sete anos, pegava uma câmera velha e pensava nos filmes que eu podia fazer com ela. Desde o meu primeiro curta eu procuro melhorar em tudo, na organização, história, equipamentos, equipe, para cada vez fazer mais filmes e em melhor qualidade”, garante.

Apaixonado por arte e esportes, Rodrigo já fez diversos cursos e oficinas de cinema e teatro, além de sapateado e dança coreografada. Entre as coisas que mais gosta de fazer, ele cita ir ao teatro, cinema e museus, assistir musicais, jogar vôlei, basquete e tênis, praticar natação e ama eventos de literatura e games.

Sobre suas expectativas para a carreira, o jovem talento garante que ama atuar e dirigir. “Sempre digo que serei os dois, do mesmo jeito que amo ser ator, eu amor ser diretor”.

Comunicativo e apaixonado, a forma como Rodrigo encara o trabalho vai muito além, o ator tem um compromisso com a arte e acredita que ela pode mudar a vida das pessoas.

“Espero poder levar arte para muitas pessoas, em diferentes partes do mundo. Quero criar inúmeros projetos e fazer com que cada um deles mude e ajuda a vida das pessoas, seja ensinando, entretendo ou deixando-as mais felizes”.

Cursando o segundo ano do Ensino Médio, o jovem já se acostumou com a rotina de gravações, ensaios e estudos, e presta bastante atenção nas aulas. Sempre muito alegre, Rodrigo só fica mais sério quando está ensaiando, gravando ou dirigindo.

“Mas em todos os momentos, seja de trabalho ou lazer, levo esse lema ‘viva cada momento como se fosse o último’.”