Coletivo Roda Gigante inicia temporada no Jazz B a partir de 14 de julho

Música instrumental produzida com requinte, modernidade e criatividade, assim se caracteriza o trabalho do Coletivo Roda Gigante que inicia dia 14 de julho, domingo, às 13hs, uma temporada no Jazz B (Rua General Jardim, 43, República, São Paulo) que se estenderá até novembro. Nessa temporada, além de relembrar as obras do trabalho “De Braços Abertos”, primeiro DVD do Coletivo, o grupo irá apresentar novas composições autorais e as releituras da obra de Gilberto Gil e de outros compositores.

Com identidade sonora única, o Coletivo Roda Gigante já está na estrada como grupo profissional desde 2011. Lançou seu primeiro EP em 2016 com composições autorais, entre elas: Samba do Bituca / Modesto / Xotezinho Sem Vergonha / Frevo à Mineira e Gratitude.

Composto por seis virtuoses integrantes, que já tocaram com músicos importantes brasileiros, optaram pela vertente mais intranquila como repertório: a música instrumental. Mas não para por aí. Isso significa que os elementos que compõem a apresentação do Coletivo Roda Gigante trazem influências inusitadas ao palco. Do Afro Frevo ao Candomblé, até música urbana, com evidente protagonismo da percussão. Hipnotiza e surpreende.

A música que tocam é dançante, inebriante e dá a chance de atuarem também como cantores, como nesse projeto de releituras do Gil, de grande aceitação do público. Eles participaram da boemia paulistana no antigo Bar do Cidão, onde as rodas de chorinho eram ponto de encontro de músicos de excelência. Depois, já com o grupo formado, fizeram uma temporada singular na Casa do Núcleo em São Paulo, além de shows pontuais na Rede Sesc e teatros populares. Sempre defendendo e encantando com um estilo instrumental próprio que compõe boa parte de seu repertório.