Longa-metragem “A Serpente”, de Jura Capela, chega aos cinemas do Rio de Janeiro, São Paulo e Recife

“A Serpente” (2016), longa-metragem do pernambucano Jura Capela, coproduzido pelo Canal Brasil, chega aos cinemas das cidades do Rio de Janeiro (dia 25 de julho (5af), com pré-estreia dia 24/7 (4af), no Estação Net) e Recife (23/8 (5af), com pré-estreia dia 22/8 (5af), no Cinema São Luiz), estando a praça de São Paulo em negociação de circuito.

Baseado na primeira obra escrita pelo dramaturgo Nelson Rodrigues (1912-1980), mas a última a ser publicada em 1978, o filme reúne em seu elenco, em encontro inédito, Matheus Nachtergaele e Lucélia Santos, além dos atores Silvio Restiffe e Cellia Nascimento.

Rodado em preto e branco, “A Serpente”, busca ser fiel aos elementos da obra original de Nelson Rodrigues. Amor, ciúme, relações proibidas e tragédia envolvem as personagens centrais da trama, vividas por Matheus Nachtergaele (Paulo) e Lucélia Santos (que vive as gêmeas Guida e Lígia), quando uma mulher resolve emprestar seu marido por uma noite para a sua irmã gêmea – casada, mas ainda virgem.

Conhecedor do universo do dramaturgo, Nachtergaele exalta a obra e a participação de Lucélia Santos no filme: “Vi todas as peças do Nelson, sendo ele muito responsável por eu ser ator. Quando fui convidado para o projeto logo imaginei a Lucélia no elenco. Sendo ela a atriz preferida do Nelson Rodrigues e profunda conhecedora da sua obra, imagino que o desejo dramaturgo era vê-la interpretando as duas irmãs. Percebo que ‘A Serpente’ devolve a Lucélia para o cinema e para o Nelson”.

Mesmo sendo profunda conhecedora da obra do dramaturgo, declaradamente pelo autor ser ela a sua atriz preferida, foi grande o desafio de Lucélia Santos para viver as gêmeas Guida e Lígia, que declara: “Foi uma alegria imensa ter recebido convite do Jura e de Mateus para ‘A Serpente’, pois sou uma grande admiradora do Nelson Rodrigues, sendo que ele tem uma presença fundamental na minha carreira. ‘A Serpente’ foi um texto imaginado por ele e estruturado talvez, parece, no início da sua carreira, tendo sido o último texto que ele assinou na vida. Esse texto tem uma dimensão pra além de toda sua obra e um poder de síntese ao mesmo tempo, talvez por isso. Todas as noivas de Nelson estão presentes no primeiro plano do filme, cuja ação se passa na destruída cidade de Mariana. Filmamos lá logo após o acidente ambiental devastador e criminoso. Gosto muito do filme. É um filme de arte, em preto e branco, que prioriza as interpretações dos atores e traz assinatura de Jura Capela, um jovem cineasta cheio de talento, inteligência e percepção. A fotografia de Pablo é um luxo!

Trabalhar com Matheus sempre foi um sonho na minha vida, pois eu o admiro profundamente e além de admirar eu o amo. Não poderia ter sido melhor oportunidade do que essa por se tratar de duas linguagens arrebatadoras para mim: o cinema, e Nelson Rodrigues. Desejo, sinceramente, que possamos voltar a nos encontrar no cinema hora dessas. Desejo também muito sucesso ao filme, apesar de não me encontrar no Brasil nesse momento. Estou em Lisboa, gravando uma novela para a TVI, uma emissora portuguesa.

Espero que ‘A Serpente’ também seja lançado aqui em breve!”

Ganhador do “Prêmio do Júri” como melhor filme no Festival de Cinema Luso Brasileiro de Santa Maria da Feira, em Portugal, “A Serpente” foi apresentado no Festival do Rio – 20o Rio de Janeiro Int’l Filme Festival, em 2016, o longa-metragem chega aos cinemas com a distribuição da Livres, de Cavi Borges.

“Colocar este filme nas salas de cinema é devolver ao publico a arte brasileira, é trazer Nelson Rodrigues e a Lucélia Santos para o tempo do agora”, declara Jura Capela.

Com trilha produzida pelos músicos Fábio Trummer (Banda Eddie) e Pupillo (Nação Zumbi), o longa de Jura Capela ganhou modernidade sonora pelas mãos dos pernambucanos, que criaram universo pop & rock para a trama.

“A peça de apenas um ato é um prefácio e um epílogo de tudo que o Nelson desenvolveu após esta criação”, declara Matheus Nachtergaele.