Sustentabilidade aliada à tecnologia nas ruas de São Paulo

A evolução tecnológica, aliada à preservação do meio ambiente, tem apresentado grandes avanços, proporcionando maior eficiência das ações sutentáveis, além de garantir a redução de custos e modernização das estruturas. Pensando nisso, a startup Green Mining atua na coleta de forma eficiente e sustentável na logística reversa, com uma tecnologia que permite identificar os locais de maior geração de resíduos pós-consumo.

“A recolha dos materiais é feita de maneira ambientalmente correta, por meio de triciclos, sem emissão de gás carbônico. Todas as fases do processo são garantidas por um sistema de rastreabilidade que usa tecnologia Blockchain, criado pelos nossos sócios desenvolvedores com mais de 20 anos de experiência, permitindo localizar os principais pontos de maior geração de recicláveis para que possamos instalar uma operação de coleta eficiente”, conta Rodrigo Oliveira, CEO da Green Mining.

A GREEN MINING é fruto do programa global 100+Accelerator, da cervejaria Ambev, que selecionou 21 startups em todos os continentes para resolver questões mundiais urgentes em sustentabilidade pontuadas pela companhia. Já Foram recolhidas mais de 100 toneladas de vidro em mais de 90 estabelecimentos na Vila Olímpia e Pinheiros, e enviados para reciclagem.

Um dos principais pilares da iniciativa é contratar, formalmente, ex-catadores de rua, que são capacitados pelo programa “Reciclar para Capacitar”, da Amlurb, e registrar em carteira de trabalho, com todos os direitos garantidos e EPIs . “Os coletores uniformizados e empenhados retiram e levam as garrafas até o ponto de concentração. Quando se atinge um certo volume, o vidro é levado direto à fábrica de vidros da própria cervejaria Ambev, localizada no Rio de Janeiro, devolvendo o material à cadeia produtiva da empresa. Todas as informações são registradas no aplicativo por cada coletor, gerando assim, toda a rastreabilidade na cadeia de logística reversa”, explica Rodrigo.

Com informações como data e local da coleta, quilos e destinação dos recicláveis, o sistema permite, também, rastrear o percurso de cada triciclo. “Com o Blockchain, garantimos a transparência da informação e, assim que iniciarmos a utilização dos triciclos elétricos, o conceito IoT será inserido em todo o processo para aprimorar o georreferenciamento”, finaliza o CEO da Green Mining.

Entre os estabelecimentos dos bairros paulistas que participam do projeto, estão: Pitico, Porto Luna, Unidos da Vila, Toca do Tatu, Frangaria, Santa Julia, Sky Hall, Sutton, Padaria Vitória Régia, Dois Irmãos, Garota da Vila, Olímpia Show e Flat Travel Inn.