Quem disse que você está acima do peso, a balança ou o espelho?

*Dr. Leandro Gregorut

Quantas vezes você falou ou ouviu alguém falar que estava gordo, após ver seu peso na balança ou olhar no espelho? Quantas pessoas que você considera que estão em ótima forma, falam que estão gordas quando veem seu peso na balança? Há uma grande confusão de conceitos e percepções porque usamos determinados termos no nosso dia a dia e, muitas vezes, confundimos alguns indicadores. Mas, na verdade, o que vemos no espelho é uma percepção, já o que nos diz a balança merece análise.

Para darmos início a esse raciocínio, vamos padronizar as grandezas. Primeiro é preciso definir o que é Massa, ou seja, a “quantidade de matéria presente em um corpo e medida em uma balança” que, de acordo como o Sistema Internacional de Unidades, tem como padrão escolhido desde 1960 o quilograma (kg). Já o Peso é a força de atração da massa pela gravidade do local em que se encontra. Pode ser calculado por meio da multiplicação entre a massa do corpo e a aceleração da gravidade local: P=m.g.

Destrinchada a parte técnica, o fato é que nada disso importa quando o assunto é estética, pois nós usualmente atribuímos o nome de peso ao número marcado na balança. Só que essa é uma outra situação, porque sobre esse indicador o que mais importa é o conceito de porcentagem de gordura corporal (%GC), que é calculada por meio de várias técnicas, desde as mais simples e clássicas até as mais sofisticadas como:

1. Adipômetro

O método de “dobra da pele” mede seu percentual por beliscar a gordura com os dedos e, em seguida, medir a espessura com uma pinça chamada adipômetro. A leitura é dada em milímetros e precisa ser comparada em um gráfico com a idade e sexo da pessoa para chegar ao seu percentual de gordura corporal.

2. Análise de impedância bioelétrica – Bioimpedância (BIA)

É a análise que determina a impedância elétrica, ou oposição ao fluxo de corrente elétrica através do corpo. O músculo tem alto teor de água e é altamente condutor, enquanto a gordura tem menor teor de água e não é altamente condutora. Com base na força da impedância junto com altura e peso medidos, a escala BIA vai estimar a massa corporal livre de gordura e calcular a gordura corporal.

3. Antropométrica

Este método utiliza medidas de circunferência do corpo para calcular a gordura corporal.


4. Pesagem hidrostática

Este método é considerado o “padrão ouro” (+/- 1,5% de erro) de medição de gordura corporal e requer que a pessoa seja submersa em um tanque de água. Isso porque os ossos e músculos são mais densos que a gordura. Sabendo-se o peso da pessoa previamente, se ela apresentar maior porcentagem de massa de gordura, apresentará um volume corporal, deslocando um maior volume de água quando submerso. Calculando essa quantidade e água deslocada e o peso, conseguimos prever a porcentagem de Gordura Corporal.

5. DEXA digitalização

A utilização do método de densitometria por dupla emissão de raios-X (DEXA), na avaliação da composição corporal, nos informa tanto a medida da massa óssea quanto do conteúdo corporal de gordura e massa magra. A confirmação da excelente acurácia e do pequeno erro de precisão do exame, tornou-o referência para o estudo de composição corporal em seres humanos.


6. Plestimografia

A plestimografia estima o volume corporal por meio do deslocamento de ar. O aparelho de plestimografia é feito de fibra de vidro e acoplado a um computador, que determina as variações no volume de ar e de pressão no interior,para a câmara vazia e ocupada, fazendo ajustes para variáveis pulmonares necessárias na estimativa do volume corporal. Durante a avaliação, é importante que o indivíduo esteja descalço e usando o mínimo de roupa possível para não haver disparidades.

Independente da técnica utilizada, o importante é fazer um acompanhamento, utilizando a mesma técnica inicial, para poder comparar os resultados. Mas lembre-se, antes de qualquer susto, que o volume ocupado por 1 kg de gordura pode ser quatro a seis vezes maior que o volume de 1 kg de músculo. Sendo assim, vale destacar que uma pessoa que pesa 100KG e tem 15% de gordura corporal (15Kg de gordura) pode ser considerada magra, pois o volume aparente dela será menor que uma pessoa de 70 kg com 30% de gordura corporal (21Kg de gordura), por exemplo.

Portanto, a conclusão sobre estar ou não acima do peso não deve ser baseada no que informa a balança, mas sim na quantidade de gordura que você tem no corpo. E, antes de qualquer precipitação, nada melhor do que procurar um médico especialista em Medicina Esportiva e uma nutricionista do Esporte para buscar orientação sobre ganho de massa magra e perda de gordura corporal, sem crise com a balança ou com o espelho.