Ana Paula Padrão fala sobre carreira e empreendedorismo

As surpresas do HR4results  evento idealizado pela Gupy e voltado para inovações em Recursos Humanos – surpreendeu com seus conteúdos transformadores. A edição deste ano, que aconteceu nos dias 08 e 09 de maio, no Pro Magno, em São Paulo, contou com a participação da jornalista e apresentadora Ana Paula Padrão, no primeiro dia de palestras e atividades.

Com o tema “Como acelerar carreiras femininas”, a cofundadora da Escola de Você foi um dos destaques da feira de RH, com um público presente de mais de dois mil e quinhentos participantes por dia. A jornalista e apresentadora revelou um pouco mais sobre sua trajetória no empreendedorismo e outros assuntos em uma entrevista exclusiva. Veja a seguir uma entrevista exclusiva com Ana Paula Padrão:

Como você começou a empreender? De onde surgiu essa veia?

A primeira empresa que eu abri, fiz por oportunidade e não por vocação. Consegui empreender e fazer em um determinado momento da minha carreira um esquema de co-produção com uma das emissoras da qual trabalhei, o que me deu fôlego no começo para procurar o mercado e entender qual era o meu DNA. Aprendi um pouco como empreender, entendi as dificuldades e ritmos de produção, todos esses percalços que o empreendedor passa em um primeiro momento.

Na sua visão, quais são os próximos passos para termos mais igualdade de gênero não só no RH, mas no mercado como um todo?

Acredito que não só no mercado, no RH e nas empresas, mas de maneira geral na vida das pessoas, temos que buscar cada vez mais eqüidade. Mas nas empresas, especificamente, acredito que a igualdade vá chegar mais forte no momento em que as companhias entenderem que ela é lucrativa. Igualdade de gênero dentro da empresa significa lucro maior. Temos dezenas de estudos e pesquisas que comprovam isso e não só no Brasil, mas na América Latina e nos Estados Unidos. E não é porque mulher dá mais lucro que homem. É porque diversidade de opinião, pontos de vistas de entendimento do mundo, de empatia com o cliente para o qual você trabalha, tudo isso leva o coletivo a saídas mais criativas e, portanto, mais rentáveis.

Foto: Reprodução/Instagram

Na sua carreira, você teve algumas transições, sendo comunicadora e também empreendedora. Que conselho você pode deixar para quem também está buscando uma transformação profissional e como você vê que o RH pode ajudar esse momento?

Eu fiz paralelamente as coisas, eu nunca deixei a televisão para empreender e sair da tela. Eu tenho algumas carreiras correndo em paralelo na minha vida, sou muito inquieta e isso não me perturba nem um pouco, pelo contrário, só me dá mais inputs de uma para outra, de um setor para o outro. Eu gosto disso. Então, a primeira coisa é: seja curioso, conheça você, saiba quem você é.

Qual é a sua dica para ter esse autoconhecimento?

Como qualquer outra coisa na vida, é exercício. Você tem que se perguntar todos os dias como você reage a determinadas situações ou a determinadas questões que são mais importantes para algumas pessoas do que para outras. Tem um exercício diário de não se deixar levar pela maré dos acontecimentos e perguntar sempre: quem eu sou e como vou reagir essa hora? A gente cresce fazendo escola de biologia, gramática e outras, mas não fazemos uma escola da gente. Não existe uma escola de você mesmo.

Foto: Reprodução/Instagram

Sua história de ouvir muitos “nãos” na carreira fez com que você tivesse um foco muito grande por vencer barreiras. Como desenvolver esse mesmo foco às pessoas?

Encare o “não” como uma coisa pouco definitiva. Muitas vezes, o não que você ouve, no emprego que você não ganhou ou a casa que você não comprou, são coisas não definitivas. São apenas outras maneiras de ver aquela situação. Às vezes você desvia do não, pega um caminho mais longo. A vida é assim. Então, se alguém diz “não pode fazer isso”, pense: por que essa pessoa está me dizendo isso? Será que eu não dei uma sensação, uma imagem de incapacidade que talvez eu não tenha? Então, se conheça. Faz parte do indivíduo passar por frustrações. Pegue outros caminhos para dar uma volta no não e chegar ao sim. Persistência e investimento em você. Estude e coloque método na sua vida. Seja sério em relação ao conhecimento.

*Matéria exclusiva em parceria com a SevenPR.