Como receber cachorros em casa tem ajudado brasileiras a realizar sonhos

Julimar Xavier e Viviane Angeli estão na DogHero, aplicativo que conecta pais de cães a anfitriões que hospedam o cachorro em casa, desde o final de 2015. Com a renda levantada por meio da plataforma, o casal do Rio de Janeiro conseguiu mudar para uma casa maior, trocar de carro e, com isso, realizar o maior dos seus sonhos: adotar uma filha. Hoje, a família é composta pelas duas e pela pequena Luísa, de um ano e meio, além dos cachorros Catarina, uma vira-lata de 4 anos, e Chiquinho, um poodle de 13 anos. “A DogHero ofereceu a segurança financeira necessária para que a gente pudesse dar um passo além na nossa relação e ampliar a nossa família. Tanto que seguimos na fila de adoção para adotar mais um filho”, explica Viviane.

A brasiliense Simone Malcher ingressou no app no final de 2018, junto da filha de 19 anos, e com o dinheiro levantado na plataforma conseguiu o sonho da independência financeira. “Até conhecer a DogHero, toda a renda de casa vinha do trabalho do meu marido e isso me afetava muito. Ter o meu próprio dinheiro fazendo algo tão gostoso elevou minha autoestima.”, analisa.

Em 2017, Lívia Marinho realizou o sonho de fazer um intercâmbio com propósito. O país escolhido foi a África do Sul e a vivência internacional incluiu o trabalho voluntário em um projeto de cuidados a animais silvestres, como macacos, javalis e crocodilos. A experiência no continente africano foi paga com o dinheiro que ela levantou como anfitriã do aplicativo. “Foi uma experiência inesquecível estar em outro país falando outro idioma e cuidando de animais, algo que eu amo fazer”, conta. Além do intercâmbio, a santista afirma que o trabalho pela plataforma, na qual está cadastrada desde 2015, ainda a ajudou a fazer uma cirurgia de correção de miopia, em 2018.

A paulistana Simone Bergamaschi sempre sonhou em passar o Natal em Nova York. Anfitriã DogHero desde o final de 2017, ela conseguiu realizar o sonho no ano passado graças ao dinheiro levantado com o aplicativo. A viagem durou mais de 20 dias e ainda incluiu Orlando, na Flórida. “Sou adepta de uma frase do Walt Disney que diz ‘se você pode sonhar, você pode realizar’. Continuo guardando o dinheiro que ganho com a DogHero para realizar mais algum sonho, provavelmente mais uma viagem, mas ainda não defini o destino”, afirma.

Criada em 2014, a DogHero é maior empresa de serviços para cachorros da América Latina e já reúne mais de 18 mil anfitriões em 750 cidades no Brasil, na Argentina e no México. O aplicativo também oferece o serviço de passeios nas capitais São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba, além das cidades de Osasco, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul. “Ser pai de cachorro é uma delícia, mas dá trabalho. A DogHero existe para ajudar essas famílias no cuidado de seus filhotes e também para auxiliar anfitriões e passeadores a realizarem seus sonhos pessoais por meio de sua paixão por cachorros”, afirma Eduardo Baer, cofundador da empresa.

Para se tornar anfitrião DogHero é preciso cumprir requisitos de segurança da residência e realizar testes de conhecimentos sobre cães. Cerca de 20% dos candidatos são aprovados. Além de responderem um formulário online, que leva cerca de duas horas, a empresa pede fotos dos ambientes da casa, para ter certeza de que o cachorro estará seguro e bem cuidado. Além disso, após a aprovação, o app disponibiliza cursos online (Escola de Heróis): os anfitriões assistem às aulas e realizam as provas para aprimorar os conhecimentos sobre os cuidados com os cães. Ao final, os escudos das conquistas são inseridos no perfil de cada anfitrião.

Já para se tornar um passeador DogHero é preciso ter mais de 18 anos, morar em alguma das cidades onde o serviço já é ofertado e ser apaixonado por cachorro. É necessário também realizar um cadastro na plataforma, fazer um curso online e agendar encontro com a equipe DogHero, que aplica um teste prático. Cerca de 15% dos candidatos são aprovados.

Fonte: Fale Criative