Tempo de leitura: 2 minutos

Tecnologia de realidade aumentada custa em média de R$ 1,2 mil a R$ 4 mil; alguns criadores até viraram ‘influenciadores de filtros’

O criador desenvolveu filtros para o Instagram e caiu no gosto dos influenciadores, empresas e internautas. Nos últimos meses, os filtros do Instagram Stories ganharam grande popularidade. São efeitos variados que os usuários podem usar para publicar na rede social para fazer Stories divertidos e mais atraentes, e que ganhou gostou também das celebridades.

Foto: Divulgação

O renomado fotógrafo e publicitário, Kenzi Marinho, há mais de 8 anos sempre se destacou no mercado por retratar fotos espontâneas e autênticas, em eventos e grandes festivais pelo país. Porém com a chegada da pandemia, Kenzi sentiu a necessidade de transição do seu trabalho para o digital. A pandemia chegou no inicio de 2020 e consequentemente congelou todos os eventos que o fotografo tinha na agenda. Por já ter conhecimento em outros programas de manipulação de imagem e programação, Kenzi, resolveu dedicar-se as ferramentas de realidade aumentada mais a fundo sobre o desenvolvimento de projetos e, criou algumas parcerias pontuais com estratégias de marketing e nos meses seguintes o número de clientes foi aumentando, e gerou fila de espera para criação de novos projetos.

Foto: Divulgação

Kenzi nem imaginava que algum dia teria seus projetos (filtro do Instagram) sendo utilizado por mais de 160 mil pessoas diariamente e gerando cerca de 40 milhões de impressões por dia no Instagram – isto só no último mês.

“Desenvolvi projetos para grandes influenciadores e despertou interesse nas agências e passei a criar filtros para os clientes das agências, sendo um deles a Le Biscuit, uma gigante marca de varejo no Brasil. Hoje, atendo a nível nacional com filas de demandas. Não dá para vender o filtro pelo filtro, ou fazer só o que está bombando no momento. Planejamento e estratégia são importantes, porque o filtro é um investimento que tem um retorno muito positivo se for bem pensado. É preciso ter um estudo do público do cliente, entender do que esse público gosta o que ele consome, o que combina com a marca” – ressalta, Kenzi.

Foto: Divulgação

O sucesso no mundo virtual abriu portas para o fotógrafo empreender e se manter no mercado. Além de comercializarem os filtros e às vezes ganharem dinheiro com palestras e tutoriais, muitos criadores faturam ainda divulgando efeitos de empresas – afinal, é interessante para as marcas que eles se popularizem pela rede social – e até fazendo trabalhos como influenciadores.

Sobre o autor:

+ posts