Tempo de leitura: 4 minutos

Durante muito tempo ouvimos falar bastante sobre o combate ao direito dos animais e maus tratos que são submetidos para a extração das fontes de alimentos, porém, de acordo com a graduanda em nutrição Jade Soller, a dieta carnívora pode trazer bastantes soluções.

Sem defender o ato da crueldade, ela vem se alimentando desde 2018 apenas em alimentos de origem animal, além de afirmar que conseguiu resolver ou solucionar grande parte de seus problemas de saúde. Contrariando todos os dogmas e suposições da nutrição, a afirmação da nossa entrevistada é de que esse tipo de alimentação carnívora tem estado mais saudável do que nunca.

Essa entrevista poderá dividir bastante opiniões, porém, nós da Moreira Comunicação defendemos que todo tipo de conhecimento é bem vindo, e é essa a nossa missão como curadora de conteúdo. Confira a entrevista com Jade Soller!

Graduanda em nutrição, você trouxe em 2018 um dos contrapesos da questão do consumo de carnes, que muitos nutricionistas acabam alertando a cautela no consumo. Como foram os seus estudos para criar a denominada dieta carnívora?

Na realidade não é algo que eu tenha inventado. Por milhões de anos a carne foi o principal alimento dos seres humanos. Hoje vivemos rodeados de alimentos cheios de corantes, conservantes e aditivos, passamos a nos alimentar de alimentos ultraprocessados e ricos em carboidratos refinados.

O que aconteceu com a saúde da população mundial? Deteriorou. Agora uma enorme parcela está com sobrepeso, obesa e enfrentando doenças crônicas.

A maneira mais eficaz de combater tudo isso é adotar uma perspectiva ancestral e é por isso que aprofundei meus conhecimentos em antropologia e aliei eles às evidências científicas de alto nível (ensaios clínicos randomizados e revisões sistemáticas de ensaios clínicos randomizados), as quais confirmam que não há nenhuma razão do ponto de vista da saúde para reduzirmos o consumo de alimentos de origem animal.

Foto: Marcos Nadur / Look: Rio Summer e Forever 21 / Beleza: Alciane Bitencourt / Assessoria: Márcia Dornelles / Locação: Jockey Clube Brasileiro

O Brasil possui atualmente uma grande quantidade de adeptos ao vegetarianismo e veganismo que usam como base os maus-tratos aos animais em suas manifestações. Já existiram conflitos entre a sua promoção do carnivorismo com essa parcela da população?

Por mais incrível que pareça, uma grande parcela das pessoas que apoiam o meu trabalho são justamente ex-vegetarianos e ex-veganos.

Não defendo maus-tratos, agora a questão principal é que a morte de animais, respeitando um conjunto de técnicas para minimizar o sofrimento deles, não pode ser vista como crueldade aos animais.

Abate e maus-tratos são termos que não conversam. Na cadeia produtiva de alimentos profissional, não há espaço para sofrimento animal, até porque isso acabaria por diminuir a produtividade e qualidade do produto.

Ainda que exista um discurso que a indústria da carne é responsável por crueldade, como um setor que visa lucro, não faz o menor sentido não preservar integralmente as cinco liberdades do animal para a entrega de mais resultado econômico.

Foto: Marcos Nadur / Look: Rio Summer e Forever 21 / Beleza: Alciane Bitencourt / Assessoria: Márcia Dornelles / Locação: Jockey Clube Brasileiro

Além da dieta alimentar, você adotou o estoicismo como filosofia de vida. Para os que ainda não são familiarizados com ele, poderia nos contar um pouco dessa ideologia?

Sempre tive uma inclinação para a filosofia, mas só me apaixonei pelo assunto quando conheci o estoicismo, justamente por ser uma escola filosófica que prioriza a prática e não a teoria.

O estoicismo atraiu a atenção de muitas figuras importantes no passado e continua fazendo sucesso até hoje. É sem dúvidas uma filosofia de vida permanente e que nos ajuda a enfrentar com calma situações difíceis como a perda de um ente querido, decepções, derrotas, afrontas, ingratidão e muitas outras ocorrências que são praticamente inevitáveis em algum momento da vida.

Foto: Marcos Nadur / Look: Rio Summer e Forever 21 / Beleza: Alciane Bitencourt / Assessoria: Márcia Dornelles / Locação: Jockey Clube Brasileiro

Após adotar o intenso consumo de alimentos de origem animal nos últimos dois anos, você chegou a falar que muitos dos seus problemas de saúde começaram a melhorar. Quais são os principais benefícios já comprovados com essa dieta?

Não só começaram a melhorar como foram completamente solucionados e eu realmente não sou a única pessoa a ter resultados incríveis em uma dieta carnívora. Existem milhares de pessoas seguindo a dieta em todos os cantos do mundo e compartilhando curas de doenças para as quais a medicina tradicional nunca ofereceu uma resposta definitiva e histórias de perda de peso extraordinárias.

De modo geral, a dieta tem mostrado bons resultados anedóticos no tratamento de doenças autoimunes, de pele, mentais e também como estratégia eficiente para emagrecimento.

Foto: Marcos Nadur / Look: Rio Summer e Forever 21 / Beleza: Alciane Bitencourt / Assessoria: Márcia Dornelles / Locação: Jockey Clube Brasileiro

Depois que popularizou esse estilo de vida, você acredita que possa ter colecionado alguns “inimigos” também em relação às comunidades de proteção dos animais?

Não que seja do meu conhecimento. Eu realmente lamento se as informações que eu transmito possam perturbar as convicções já formadas de algumas pessoas ou até mesmo comunidades. A minha preocupação continuará sendo promover informações sobre a importância dos alimentos de origem animal para que as pessoas possam tomar suas próprias decisões.

Confira mais: www.jadesoller.com.br

Sobre o autor:

Editor-Chefe | Entrevistador | + posts

Luca Rocha Moreira, mais conhecido como Luca Moreira, é um jornalista, escritor e entrevistador internacional brasileiro. Conhecido por suas entrevistas com mais de 500 personalidades em cinco países diferentes em seus primeiros três anos de carreira. É autor do livro "300 Histórias para Inspirar".